Cibercrime: EaaS ( exploit-as-a-service )

Os cibercriminosos inauguram mais uma fase da evolução do SaaS: além de disponibilizarem conjuntos de ferramentas de exploração de vulnerabilidades de sites, associam serviços de hospedagem. É o “exploit-as-a-service”. Os clientes pagam pelo período de tempo em que as iniciativas estão infectando ativamente os computadores.

Os conjuntos de ferramentas oferecem vários tipos de “exploits”, ou seja, sequências de códigos capazes de permitir ao usuário tirar partido de vulnerabilidades de software, para introduzir malware em um sistema. Investigadores da Seculert descobriram que pelo menos um par desses conjuntos ou kits – Incognito 2.0 e Bomba – oferecem os seus próprios serviços de alojamento na web – assim como uma interface de gestão acessível pela internet.

O novo modelo de negócio torna mais fácil a vida dos cibercriminosos ou operadores com problemas em garantir a robustez do alojamento de servidores com malware, disse Aviv Raff, CTO e co-fundador da Seculert. A empresa especializou-se no serviço baseado em cloud computing que alerta os seus clientes para novos fenômenos de malware, vulnerabilidades e outras ameaças virtuais.

O conjunto de ferramentas descoberto destina-se a criminosos interessados em atacar um grande número de computadores com Microsoft Windows. Uma vez violada a segurança dos computadores, as máquinas podem ser usadas para roubar dados pessoais, enviar spam, e realizar ataques de negação de serviço…

Leia mais em IDG Now – Segurança

Author: alexos